APRESENTAÇÃO

( Nem tanto ao céu, nem tanto à Terra)


A 21 de agosto de 1609 (*), respondendo ao convite de Galileu que acabava de montar sua primeira luneta, todos os membros do Senado de Veneza subiam o campanário da Igreja de São Marcos e perscrutavam a lagoa. Os veleiros que se aproximam, e que os senadores distinguem nesse "tubo ótico"- que na época, se poderia muito bem classificar de "mágico" - , seria necessário esperar duas horas ou mais para vê-los a olho nu.

Desde 26 de agosto, Galileu sabia que seria recompensado e achava que seus emolumentos passariam instantaneamente de 250 a 1.000 florins anuais. Ao receber a decisão oficial, Galileu descobriu que o governo era menos generoso do que supunha. Certamente, a cátedra de matemáticas que ocupava em Pádua, e que dependia da república de Veneza, lhe fora conferida por toda a vida, mas o aumento - fica bem claro que não será seguido de nenhum outro - só ocorrerá ao término do contrato vigente... um ano mais tarde.

(*) Nota do Almanaque Virtual- Pelo calendário gregoriano uma sexta feira.

O texto acima, extraído do livro "Uma História da Astronomia", de Jean-Pierre Verdet, apresentação de Ronaldo Rogério de Freitas Mourão, da Jorge Zahar Editor, escolhido como se diz "a dedo", para esta página de apresentação, visa utilizando a metáfora, demonstrar que na realidade, as dificuldades, grandes obstáculos, expectativas frustradas, desencantos,  sempre existiram, em que pese, como no exemplo em epígrafe, toda a genialidade de um Galileu Galilei.

A idéia de transportar os velhos e saudosos "Almanaques" impressos, com os recursos da Internet, para páginas virtuais, não é nenhuma novidade, e não será a última tentativa podem ter certeza disso; na verdade, acredito que o processo ainda nem começou a se desenvolver, antevendo para um futuro não muito distante, novidades fabulosas nesse segmento.

Em que pese a busca exagerada por sensações apelativas, o fascínio pelos efeitos espetaculares, a busca desenfreada por obter ganhos em propostas extravagantes e até absurdas, o conhecimento, será como aliás sempre foi, o alicerce de tudo.

Sei dimensionar a grande responsabilidade que assumo com um projeto dessa envergadura; sem almejar resultados alvissareiros prematuros, nem como sonhar na excelência do reconhecimento, como o fez Galilei, almejando em quadruplicar os seus florins, ouso acreditar que a partir deste momento, nada mais será igual, pois representará um marco, um momento especial em que vincula o limiar mágico desse nosso encontro, dessa confiança mutua, com o nascer ou o ocultamento do astro-rei o Sol, em mais um dia de jornada, num relacionamento gratificante, sabendo que esse ciclo vital  continuará "In-perpetuum".

Concluindo, encerro esta apresentação, transcrevendo uma citação que gosto muito, um verdadeiro clássico:

Eu peço que esta obra seja lida com indulgência e que os erros inevitáveis em matéria tão difícil sejam menos assunto de recriminação do que oportunidade para novas tentativas e pesquisas mais felizes; Isaac Newton (1642-1727)  

Prefácio do seu Principia Mathematica

Fraternalmente

Editor responsável

Pedro Detizio Junior

[email protected]